5 erros de gestão hospitalar que devem ser evitados a todo custo

5 erros de gestão hospitalar que devem ser evitados a todo custo

Evitar erros de gestão hospitalar com uma administração adequada permite que a instituição atinja as metas estabelecidas, além de elevar sua qualidade de serviços e aumentar a receita. Da mesma forma, um hospital com gestão eficiente atrai pacientes e profissionais qualificados.

Contudo, nem sempre é fácil aprimorar o caminho para essa gestão. São muitos os desafios que acabam resultando em erros de gestão hospitalar. Para evitar que eles aconteçam, acompanhe a leitura a seguir e conheça algumas dicas importantes que devem ser colocadas em prática na instituição!

Principais desafios da gestão hospitalar

A gestão hospitalar tem grande impacto na qualidade de atendimento, saúde e bem-estar do paciente. No entanto, alguns desafios são enfrentados no setor e podem prejudicar a produtividade da organização, impactando em suas ações.

Para evitar erros de gestão hospitalar, a administração deve ser eficiente, com visão estratégica que permita elevar o nível na assistência e superar as dificuldades. Acompanhe os principais desafios enfrentados pelos gestores hospitalares:

  • implementar processo de planejamento;
  • valorizar os profissionais;
  • utilizar indicadores para decisões estratégicas e assertivas;
  • realizar manutenção de equipamentos periodicamente;
  • manter o fluxo de caixa;
  • utilizar equipamentos ultrapassados;
  • organizar e controlar os processos;
  • adotar novas tecnologias.

5 erros de gestão hospitalar

A gestão é uma atividade que envolve planejamento, tomada de decisão, controle, análise de desempenho e outras tarefas que muitas vezes podem ser falhas. Muitos erros de gestão hospitalar acabam impedindo o bom funcionamento da instituição. Conheça 5 principais que devem ser evitados a qualquer custo.

1. Gestão de estoque inadequada

A gestão de estoque é o gargalo de boa parte das instituições. Afinal, o estoque parado representa investimento sem giro. Do mesmo modo, a ausência de insumos é responsável por comprometer o funcionamento do hospital, colocando em risco a vida de seus pacientes.

Além do problema representado em almoxarifados e farmácia, a gestão inadequada de estoque afeta áreas mais críticas. O elevado volume de materiais e medicamentos estocados em UTIs (unidade de terapia intensiva), e salas de emergência, como em carros de emergência, dificilmente são controlados.

2. Falta de treinamento regular

O treinamento hospitalar não envolve somente médicos, enfermeiros e técnicos, mas também profissionais que atuam em outros setores. Um dos erros de gestão hospitalar é contar com uma equipe mal preparada, que não saiba como tratar os pacientes, sem conseguir informá-los em relação aos seus procedimentos.

Por isso, é fundamental que os profissionais tenham treinamento regularmente, atualizando-se em técnicas e relembrando os valores da instituição, de modo a oferecer o melhor atendimento ao setor.

3. Escolha inadequada os equipamentos

Outro grande erro na gestão de um hospital é a escolha inadequada de equipamentos. Para que a instituição possa funcionar, é importante que os materiais e máquinas sejam de qualidade, evitando que pacientes e profissionais corram riscos. Dessa forma, uma gestão eficaz deve acertar na escolha dos equipamentos, observando as seguintes características:

  • especificações técnicas, para que atendam às necessidade dos procedimentos;
  • relação custo-benefício, considerando o alto investimento;
  • tecnologia empregada, durabilidade e despesas com manutenções;
  • reputação do fornecedor, avaliando atendimento, garantia e suporte técnico.

4. Falta de investimento em marketing digital

Um erro comum é achar que o gestor não precisa promover seu hospital. Para que a instituição possa criar no público a confiança nos serviços oferecidos, apresentar os profissionais, especialidades e serviços oferecidos, é importante recorrer ao marketing digital.

Essa é uma forma de evitar que pacientes procurem outra instituição concorrente. A sugestão é que o gestor promova conteúdos relevantes, com temas de interesse, mostrando preocupação com a saúde de todos.

5. Ignorar ações preventivas

Por fim, um dos principais erros de gestão hospitalar está relacionado ao descuido da manutenção preventiva dos equipamentos. Isso porque, mesmo que os itens sejam duráveis e de alta qualidade, o uso diário provoca desgaste e avarias.

Realizar esse cuidado é fundamental para atender às exigências da Vigilância Sanitária, garantindo a segurança dos pacientes e dos colaboradores. Da mesma forma, o gestor evita contratempos, como deixar de realizar procedimentos importantes ou de utilizar leitos devido à equipamentos quebrados ou com defeitos.

Como enfrentar os erros de gestão hospitalar

Além de conhecer os principais erros de gestão hospitalar para poder evitá-los, também é importante saber sobre algumas formas de enfrentar alguns destes erros, melhorando o desempenho da instituição. Confira.

Planeje antes de executar

Entender as demandas da instituição é fundamental para alcançar uma gestão hospitalar eficaz. Assim, o gestor deve procurar recursos para supri-las, considerando melhorias que novas aquisições ou mudanças podem causar no ambiente.

Dessa forma, antes da tomada de decisões, é importante realizar um planejamento estratégico, analisando cada etapa do trabalho, as ferramentas e o capital humano necessários, além do impacto sobre a rotina da instituição.

Tenha o controle das informações

É essencial que o gestor tenha conhecimento de todas as informações sobre o ambiente hospitalar. Assim, é possível evitar falhas durante a gestão. As informações incluem dados, relatórios e responsabilidades relacionadas ao hospital.

Dessa forma, qualquer equívoco pode ser desfeito a tempo de não causar sérios danos ao hospital, profissionais e, principalmente, aos pacientes. Por isso, acompanhar informações é uma ação que deve ser constante, fazendo parte da rotina e facilitando a identificação de problemas.

Uma alternativa para otimizar o controle das informações é facilitar a comunicação entre os setores, utilizando um modelo integrado e aberto. Ao fazer isso, o gestor pode ter conhecimento das informações de forma efetiva.

Analise os resultados

De nada adianta promover mudanças e ajustes na instituição se o gestor não acompanhar os resultados de forma constante. Por esse motivo, é importante estabelecer métodos de avaliação, considerando também a opinião dos pacientes.

É indicado analisar frequentemente os processos, atividades e mudanças implementadas recentemente. Dessa maneira é possível visualizar quais pontos ainda devem ser modificados.

Ao aplicar as mudanças, é necessário consultar a equipe, considerando as sugestões antes mesmo de colocá-las em prática, aumentando as chances de acerto. Além disso, é preciso considerar a frequência das avaliações, verificando o período ideal e registrando a periodicidade da análise.

Dê atenção ao marketing digital

Investir no marketing digital é uma maneira de impedir que alguns dos erros de gestão hospitalar aconteçam. O marketing tem papel muito importante para instituições que desejam aumentar sua visibilidade.

No setor da saúde, boas estratégias ajudam a fortalecer a imagem do hospital com os pacientes. Assim, o gestor deve utilizar o marketing digital para divulgar a instituição, os valores praticados, profissionais envolvidos, atendimento humanizado e procedimentos realizados.

O principal objetivo do marketing é conquistar a confiança dos pacientes e fidelizá-los. Por isso, o marketing hospitalar aliado ao atendimento de qualidade favorece uma visão positiva dos pacientes em relação ao hospital.

Com as dicas acima, é possível evitar erros de gestão hospitalar, melhorando o funcionamento da instituição, elevando sua reputação diante dos pacientes e contribuindo para que o ambiente seja ideal para uma rotina de trabalho segura e adequada.

Você gostou das informações deste conteúdo? Então, confira mais assuntos como este no blog da RTS RIO!

COMPARTILHE:
Por que escolher os Monitores Multiparâmetros da RTS?

Por que escolher os Monitores Multiparâmetros da RTS?

A tecnologia e a medicina andam lado a lado, em uma jornada que assegura bem-estar para todos os pacientes. Com os avanços tecnológicos, os equipamentos hospitalares, os tratamentos e cuidados recebidos ficam cada vez melhores.

Os monitores multiparâmetros são equipamentos importantíssimos para o controle do estado de saúde do paciente. Com eles, é possível verificar em tempo real se o quadro de saúde deste paciente sofreu alguma alteração ou se necessita de alguma intervenção médica.

Falando sobre esse equipamento, hoje apresentaremos os motivos pelos quais você deve escolher os Monitores Multiparâmetros da RTS Rio. Boa leitura!

Características técnicas dos Monitores Multiparâmetros

Os monitores multiparamétricos da RTS possuem inúmeros diferenciais, como o fato de serem pré-configurados, o que traz todas as tecnologias desde o monitor de entrada ao monitor premium, com a facilidade de inclusão de cabos como itens opcionais.

O equipamento vem preparado de fábrica com todas as tecnologias e a unidade hospitalar tem a possibilidade de adquirir apenas os cabos necessários, e posteriormente realizar estes upgrades.

Os monitores possuem telas que variam de 10,4 polegadas a 19 polegadas, tipo LCD colorida e touch screen, sensíveis ao toque. Além disso, conta com a possibilidade de apresentação simultânea de até 05 curvas de parâmetros e suas variações numéricas (possibilidade de alternar para dígitos grandes).

Confira a seguir mais detalhes sobre os monitores multiparâmetros:

  • parâmetros básicos: ecg, resp, spo2, pni, temp;
  • parâmetros com multi-conector para parâmetros invasivos, tais como: capnografia, débito cardíaco, sensor BIS, PVC, PAM, entre outros;
  • até 72 horas de registros de eventos;
  • tecnologia smart cable (tecnologia nos cabos de parâmetros) ;
  • possibilidade de integração com sistema de prontuário eletrônico e com outras tecnologias, tais como: ventiladores pulmonares, bombas de infusão, entre outros;
  • tecnologia synECi18 – realização de ECG de 18 derivações.

Indo além, tem entre suas principais funções de monitoramento:

  • ECG: realiza análise de arritmias com revisão gráfica de parede posterior do coração, capaz de detectar até 15 tipos de arritmias;
  • Respiração: apresentação em tela do valor numérico da frequência e detecção, e alarme de apnéia com tempo programável pelo usuário;
  • Mensuração de temperatura: entre 0 e 45º através de sensor de pele ou transesofágico;
  • Oximetria: alta precisão e confiabilidade na monitorização de pacientes com baixa perfusão, além da tecnologia BluePro, que confere resistência a água em nosso sensor;
  • PNI: Com tecnologia PWTT – sistema de detecção automática de grandes variações da pressão arterial, com posterior mensuração da PNI.
  • Possibilidade de realizar ECG com cabo de 10 vias e integrar uma impressora térmica no próprio monitor.

Benefícios dos Monitores Multiparâmetros da RTS Rio

Monitores Multiparâmetros da RTS

Interface intuitiva e de fácil compreensão

Quando você conecta um Smart CableTM (CO2 / PI) a um MULTI-conector, ele detecta automaticamente o tipo de parâmetro e inicia o monitoramento na tela.

Tela sensível ao toque

A tela sensível ao toque proporciona uma operação fácil e intuitiva.

Possibilidade de monitoramento entre leitos

Com o monitoramento INTERBED, você pode usar qualquer monitor multiparamétrico para verificar as informações vitais e status do alarme de outro monitor na rede, mesmo que não haja uma central de monitorização. Reduzindo o tempo de resposta e na tomada de decisão, caso haja uma descompensação no quadro clínico deste paciente.

Para concluir, reforçamos a autoridade da RTS no mercado e convidamos o leitor a entrar em contato com nossos consultores.

Guia de Operação na Tela

Um guia de operação na tela torna os monitores extremamente simples de usar. Ilustrações fornecem mais informação do que um simples soar do alarme. Por exemplo, uma mensagem de alarme técnico “vazamento de ar” também mostra uma imagem dos pontos a verificar. O guia também mostra o método de medição recomendado para cada parâmetro.

Monitores Multiparâmetros com revisão dos dados

Os monitores multiparâmetros da RTS Rio oferecem:

  • até 120 horas tendências gráficas e numéricas, incluindo uma forma de onda (ecg ou onda de pulso);
  • tempo sincronizado em todas as telas de tendência;
  • tendências tabulares de todos os parâmetros, tendências da pni, tendências gráficas, revisão de arritmias;
  • Full Disclosure e Histórico de Alarmes;
  • registro de todos os eventos, como alarmes e silenciamento de parâmetros.

Na RTS, nos orgulhamos de prover soluções de saúde de alta qualidade e eficiência, assegurando o melhor atendimento em unidades de tratamento intensivo e diagnóstico, aos pacientes das redes públicas e privadas de saúde.

Se você busca um fornecedor de qualidade para monitores multiparâmetros e outros equipamentos médicos, conheça nossos produtos.

COMPARTILHE:
Saúde 4.0: conheça esse conceito

Saúde 4.0: conheça esse conceito

As inovações tecnológicas têm contribuído na mudança das rotinas de instituições de saúde, como clínicas, hospitais e consultórios. O surgimento do conceito de saúde 4.0 revolucionou a relação entre essas instituições e os pacientes.

Com a automatização, é possível aumentar a produtividade e segurança no atendimento, reduzindo os custos. Por isso, investir em tecnologia é a melhor forma de otimizar as tarefas e oferecer serviços de qualidade. Quer conhecer melhor o conceito de Saúde 4.0 e entender como ela é implantada? Então, continue a leitura do post de hoje!

O que é Saúde 4.0?

A Saúde 4.0 tem como foco o uso e a aplicação de tecnologias ao setor. Dessa forma, estão relacionadas a internet das coisas, armazenamento em nuvem, automatização e outras soluções que são essenciais para otimizar as rotinas hospitalares.

O objetivo da Saúde 4.0 é aplicar investimentos em tecnologia na medicina, buscando a prevenção de enfermidades e garantindo o bem-estar físico e mental dos pacientes. Assim, o conceito de Saúde 4.0 está relacionado à integração das ferramentas tecnológicas na área da saúde, envolvendo mecanismos automatizados e sistemas de gestão.

Qual a sua importância?

Com a finalidade de fornecer recursos para profissionais e pacientes, a Saúde 4.0 contribui na prevenção de doenças e promoção da qualidade de vida. Desse modo, considerando que o foco no passado era em tratamento e cura de doenças, nos dias atuais, a tecnologia revoluciona ao permitir que a promoção de saúde e prevenção tenham a merecida atenção.

Essa revolução gera impactos na forma como os novos tratamentos são desenvolvidos, assim como o acompanhamento dos pacientes e a gestão de saúde. Com soluções tecnológicas é possível gerar conhecimento que auxiliam para que decisões acertadas sejam tomadas, como a avaliação de ações preventivas.

Como a Saúde 4.0 é aplicada?

Dentro da Saúde 4.0 existem diferentes recursos adotados para serem utilizados em hospitais, clínicas e consultórios, como forma de melhorar os processos e levar vantagens para profissionais e pacientes. Confira algumas formas de aplicação da Saúde 4.0.

Dispositivos médicos

As inovações na saúde abrangem desde métodos de curativos e equipamentos mais simples até instrumentos complexos, como implantes, marcapassos e máquinas de exames de diagnóstico por imagem. Esses dispositivos são usados para aumentar a qualidade do diagnóstico de enfermidades e recuperação da saúde dos pacientes de forma integral.

Telemedicina

A telemedicina ou telessaúde, como também é conhecido este sistema, permite que os atendimentos médicos sejam realizados à distância. Essa alternativa beneficia principalmente as populações afastadas dos grandes centros, além de ter se destacado e ganhado grande adesão durante a pandemia causada pela Covid-19.

Dessa forma, os profissionais podem fazer diagnósticos, consultas e tratamentos de forma remota. A telemedicina também inclui equipamentos que realizam a monitorização de parâmetros fisiológicos dos pacientes, como dos batimentos cardíacos, enviando esses dados diretamente para o médico, solução que permite o acompanhamento constante das condições de saúde.

Softwares médicos

Os sistemas de gestão médica e prontuários eletrônicos são usados para possibilitar a visualização de dados do paciente rapidamente, por meio de dispositivos móveis com acesso à internet, como tablets e smartphones.

Assim, em situações de emergências, o profissional pode tomar uma decisão de forma rápida e assertiva. Da mesma forma, em consultas de rotina, a verificação do histórico do paciente é mais fácil, garantindo um diagnóstico eficaz.

Quais os benefícios dessa tecnologia?

A inovação tecnológica é uma forte aliada no atendimento humanizado, objetivo de toda instituição que deseja oferecer o melhor serviço a seus pacientes. O auxílio da Saúde 4.0, com softwares de gestão, por exemplo, o médico pode ter agilidade no acesso às informações do paciente.

Assim, o tempo de consulta pode ser destinado para uma relação harmoniosa e humanizada. Além disso, os equipamentos tecnológicos usados dentro de uma instituição contribuem para um diagnóstico preciso, tratamento eficaz e recuperação completa.

Como inserir sua instituição na Saúde 4.0?

Para inserir esse novo conceito, as instituições devem se preparar para os desafios que virão. Isso porque, a fase de transição de procedimentos manuais para digitais gera impactos diretos em métodos e equipamentos médicos.

Da mesma maneira, causa impacto no trabalho dos profissionais envolvidos. Por isso, exigem treinamentos e período de adaptação, com mudança na cultura da organização.

No entanto, essas alterações fazem parte de uma transformação positiva, considerando os benefícios que a Saúde 4.0 gera para as instituições, como diagnósticos mais exatos, tratamentos eficientes, processos otimizados e aumento da produtividade.

Dessa forma, ainda que existam dificuldades na implantação da Saúde 4.0, elas podem facilmente ser enfrentadas no processo de transição. Portanto, é fundamental que a instituição tenha a visão nos benefícios que a aplicação dessa tecnologia apresenta na rotina de trabalho.

Gostou destas informações? Então, siga nossas redes sociais para ficar por dentro de mais assuntos como este. Estamos no Linkedin, Facebook e Instagram!

COMPARTILHE:
9 dicas de como manter a qualidade nos serviços de saúde privada

9 dicas de como manter a qualidade nos serviços de saúde privada

Para garantir melhor atendimento, é fundamental que o profissional realize uma gestão de qualidade nos serviços de saúde. Esse é um tema que ganha cada vez mais destaque para tornar o hospital um ambiente seguro e organizado.

A gestão de qualidade é uma atividade que apresenta como objetivo controlar uma organização, visando melhorar os serviços prestados. Por isso, a intenção da gestão de qualidade é garantir a satisfação final do paciente, cumprindo suas necessidades da melhor forma. A seguir, conheça melhor este tema e acompanhe 9 dicas para manter a qualidade nos serviços de saúde!

O que é gestão da qualidade nos serviços de saúde

A gestão de qualidade nos serviços de saúde tem como foco planejar e desenvolver ações para que o ambiente hospitalar se torne sustentável, seguro e confiável. Dessa forma, algumas questões são essenciais na qualidade dos serviços de saúde, como acessibilidade, eficácia e eficiência.

Ou seja, não basta disponibilizar serviços aos pacientes. Também é necessário que eles sejam realizados com qualidade. Para atingir tal qualidade é importante utilizar algumas ferramentas de gestão que ajudam a organização.

A qualidade dos serviços de saúde é fundamental para tornar a administração hospitalar eficaz, atendendo a necessidade dos pacientes. Adotar um sistema de gestão de qualidade em saúde é uma decisão estratégica que cria um diferencial para a instituição.

Além disso, influencia diretamente no desenvolvimento, envolvendo questões legais e econômicas. A busca pela qualidade nos serviços de saúde não pode ser restrita. É importante usá-la para reduzir a complexidade de processos, desperdícios e trabalho desnecessário.

Qual a importância da gestão da qualidade em saúde?

Para os pacientes da instituição, a gestão de qualidade é uma forma de levar garantia aos serviços oferecidos, com procedimentos sendo realizados de forma adequada, principalmente em relação à segurança e higiene.

Para uma administração eficiente, o controle da gestão e de qualidade de serviços é fundamental. A prestação de atendimento será satisfatória, assim como o funcionamento de toda a organização.

Com a gestão da qualidade em saúde é possível adquirir novos procedimentos e competências. Para os profissionais, ela permite trabalhar em um ambiente organizado, com boa infraestrutura que garanta a qualidade de vida dos pacientes.

9 dicas de como manter a qualidade nos serviços de saúde privada

Visto que a qualidade dos serviços em saúde é um conjunto de práticas que visam planejar, organizar e otimizar as ações realizadas na instituição, é importante saber como manter essa qualidade. Para isso, acompanhe as dicas, a seguir.

1. Faça um planejamento estratégico

Um planejamento estratégico é importante para avaliar o negócio como um todo, identificando o que pode ajudar a destacar a instituição. Por isso, é importante focar na relevância deste planejamento.

Ao entender os desafios dos setores, é possível realizar a gestão e potencializar os processos que tornem a experiência dos pacientes um grande diferencial, elevando sua satisfação.

2. Defina políticas de atendimento e treine a equipe com excelência

Outra dica para ter qualidade nos serviços de saúde é definir as políticas de atendimento da instituição. Estabelecer os tratamentos adequados para os pacientes é uma forma de garantir qualidade e satisfação a todos.

Por isso, é fundamental desenvolver um documento com as definições, compartilhando-o com todos os profissionais que atuam naquele setor do hospital, inclusive os que não têm contato direto com os pacientes.

Além disso, o treinamento da equipe é muito importante para manter a qualidade nos serviços de saúde. Dessa forma, é essencial realizar qualificação adequada para melhorar o atendimento, garantindo a satisfação dos pacientes. Os treinamentos devem ser periódicos, sempre relembrando as informações e atualizando os profissionais.

3. Invista em equipamentos de qualidade

Investir em equipamentos de qualidade é outro ponto importante para manter a qualidade nos serviços de saúde prestados. Auxiliando diagnósticos, tratamentos e também na promoção de saúde, contar com ferramentas de qualidade contribui para o acolhimento do paciente e atenção integral às suas necessidades.

Com equipamentos médicos de qualidade, é possível oferecer segurança aos pacientes, além de assegurar a funcionalidade do leito. Uma boa alternativa é utilizar o serviço de aluguel de equipamentos com gestão integrada. Dessa forma, a instituição conta com profissionalismo, comodidade, economia e eficácia.

Afinal, a empresa que faz a locação será a responsável por manutenção preventiva ou corretiva, atualização dos produtos, troca em caso de avarias, treinamento da equipe em relação ao funcionamento, e muito mais, sem que toda a responsabilidade seja do gestor.

4. Facilite a marcação e administração de consultas, exames e cirurgias

Outra forma de manter a qualidade é facilitando processos que costumam ser complicados e demorados. Um exemplo é a marcação e administração de exames, consultas e cirurgias. É importante disponibilizar diferentes canais de comunicação, de acordo com o volume de procedimentos, instalando ferramentas como, por exemplo, um PABx (central telefônica).

Além disso, os profissionais responsáveis pelo atendimento devem ser educados e atenciosos, de modo a deixar o paciente seguro e à vontade em relação à qualidade dos serviços oferecidos pela instituição.

Da mesma forma, os procedimentos devem ser organizados na administração das consultas, exames e cirurgias marcadas, facilitando a identificação das datas, horários compatíveis com a disponibilidade, e pacientes.

Outra forma é investir em soluções tecnológicas que ajudam a melhorar a qualidade neste atendimento, como canais alternativos para o agendamento de cada um dos procedimentos. Utilizar o agendamento online para consultas e exames também é uma maneira eficaz de otimizar o tempo do paciente e dos profissionais.

5. Reduza o tempo de espera por atendimento

Seja qual for a necessidade do paciente na instituição, é importante respeitar e prezar pelo tempo de atendimento. Ele deve ser realizado de forma atenciosa e humanizada, com tempo que seja justo para todos. Por isso, é importante que a agenda dos profissionais da instituição considere o tempo médio dos atendimentos em hospitais.

Com essa organização, é possível prestar um atendimento de qualidade, reduzindo o tempo de espera para cada consulta e impactando positivamente os pacientes em relação aos serviços prestados.

6. Realize pesquisas de satisfação

O hábito de realizar pesquisas de satisfação com os pacientes da instituição é uma excelente forma de identificar pontos que podem ser melhorados. É importante que a pesquisa tenha aspectos para avaliar o atendimento médico, consultas, tempo de espera, procedimentos realizados, estrutura, e outros fatores que influenciam no serviço prestado.

Esse é um método de fácil aplicação que aproxima o paciente da instituição, reforçando sua importância no contexto. Contudo, para que a pesquisa de satisfação seja eficaz, é essencial evitar o desperdício de informação, tendo bastante cuidado ao analisar situações que precisam de melhoria. É indicado realizá-las com frequência, com o objetivo de avaliar se os serviços estão mantendo a qualidade desejada, assim como as políticas de atendimento sendo cumpridas.

7. Tenha uma infraestrutura que ofereça conforto

A infraestrutura da instituição deve refletir os valores estabelecidos para a qualidade dos serviços de saúde. O espaço precisa ser adequado para o atendimento dos pacientes, desde seu momento de espera até o período pós-alta.

O ambiente deve ser limpo, confortável, organizado e seguro, atendendo as normas exigidas e oferecendo a melhor experiência. Por isso, incluir climatização adequada, mobiliário e distração também é importante.

A estrutura deve ser capaz de oferecer aos pacientes e profissionais o melhor para um atendimento de qualidade. Caso contrário, o paciente terá má impressão, prejudicando sua satisfação em relação à instituição.

8. Invista no ERP (Enterprise Resource Planning)

Outra importante dica é investir no ERP (Enterprise Resource Planning), sistemas integrados de gestão empresarial. Essa alternativa é amplamente conhecida e utilizada como principal ferramenta para organização e gerenciamento de empresas e instituições.

Com seu uso, é possível personalizar o sistema de gestão hospitalar por meio da conexão com outros sistemas operacionais e soluções. Assim, é possível atender as necessidades específicas da área, destacando ainda a instituição pela inovação, aumentando seu potencial competitivo no mercado.

9. Acompanhe os indicadores de desempenho

Por fim, para manter a qualidade dos serviços de saúde, é importante ter atenção aos indicadores de desempenho, viabilizando análises e comparações que possam ajudar a orientar a gestão.

Assim, é possível torná-la confiável, saber o que deve ser melhorado. Os indicadores de desempenho devem ser observados em conjunto, visto que são informações valiosas para melhorar processos, assistência e, consequentemente, os resultados financeiros da instituição.

A melhor forma de garantir a qualidade nos serviços de saúde é aplicar estas dicas de forma eficiente e estruturada. Dessa maneira, o gestor terá o aumento na produtividade, melhorando os processos de saúde e conquistando a satisfação de seus pacientes.

Gostou destas dicas? Então, compartilhe este conteúdo em suas redes sociais! Assim, outros profissionais também poderão entender um pouco mais sobre a importância da qualidade dos serviços em saúde!

COMPARTILHE: